Temer anuncia pacote de ações sociais de R$ 157 milhões para 50 mil jovens

Temer anuncia pacote de ações sociais de R$ 157 milhões para 50 mil jovens

Compartilhe isso:

Publicado em 13/11/2017, no site do jornal O Globo.

O presidente Michel Temer anunciou nesta segunda-feira, no Rio, que o pacote de programas sociais conjugado às ações de segurança pública, o chamado Programa Emergencial de Ações Sociais, terá aporte de R$ 157 milhões. As ações, que já vinham sendo divulgadas por autoridades estaduais e federais desde julho deste ano, devem atender 50 mil crianças e adolescentes de 6 a 17 anos. Os beneficiários têm de estar cadastrados no Programa Bolsa Família ou inseridos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal. Temer veio acompanhado da primeira-dama, Marcela Temer, chamada de “encantadora” pelo prefeito Marcelo Crivella.

Em seu discurso, Temer bateu na tecla da paz e da cooperação entre as esferas federativas. Ficou a ambiguidade se seria a “paz” mencionada um recado para as autoridades ali presentes.

— O que se verifica aqui é uma cooperação. Quando nós percebemos que todos esses setores estão trabalhando juntos, podemos dizer que o Brasil tem jeito e cada vez mais futuro. Nós, de alguma maneira, daqui a algum tempo estaremos fora e os jovens cada vez mais no interior de todas as atividades. O que precisamos fazer é incentivar essa cooperação entre todos.

REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

O ministro Osmar Terra afirmou que haverá ações esportivas e de capacitação em tecnologia da informação para jovens de comunidade. Terra chegou a afirmar que esses adolescentes carentes podem “até, um dia, começar startups”. Segundo ele, o foco das ações é reduzir a violência nessas áreas.

— Temos enorme efetivo militar apoiando a polícia no Rio de Janeiro pra reduzir a violência. Mas a experiência mostrou que isso por si só não é suficiente. Se não modificarmos a estrutura social e não melhorarmos as condições de vida da população, isso acaba tendo um efeito passageiro. São ações complementares à área de Segurança para o Rio de Janeiro e para a região metropolitana.

Terra disse ainda que a pobreza é uma questão de “desigualdade social”, mas disse que os jovens não são obrigados a permanecer sem perspectivas.

— Mas ninguém é obrigado a ficar nessa vida. Ter esse destino.

O ministro esqueceu o nome do Departamento de Ações Socioeducativas (Degase) ao anunciar que também haverá ações direcionadas aos jovens internos.

Luislinda Valois, a ministra dos Direitos Humanos que pediu para acumular os salários de desembargadora e ministra de depois desistiu, também esteve na cerimônia e aconselhou os jovens carentes a seguirem “caminho da retidão”.

— Como mulher preta, pobre, da periferia, conheço o que é viver lá longe dos grandes centros. Estamos aqui para firmar compromissos reais e exequíveis. Minhas crianças, meus jovens, o caminho da retidão é o melhor, e estamos aqui para dar a vocês essa retidão que já tem.

A ministra disse que uma parceria com o Ministério da Justiça, para capacitar agentes mediadores vai ajudar a “combater o homicídio do jovem preto, pobre e da periferia”.

— Me permita fazer um pedido: é a paz que desejamos para o Rio de Janeiro e para o mundo.

A ministra também pretende ajudar nas ações sociais doando livros de sua própria autoria para o estado do Rio.

Leonardo Picciani, o ministro do Esporte, afirmou que o presidente teve “sensibilidade” com o Rio de Janeiro ajudando o estado — o que é constantemente contestado por autoridades estaduais. O ministro citou o aporte de R$ 2,9 bilhões da União ao Estado na época das Olimpíadas e as recentes operações integradas na área da Segurança.

O evento sucede uma série de crises institucionais entre União e Estado quanto às ações integradas na área da Segurança. A última delas se deu a partir de declarações do ministo da Justiça Torquato Jardim, que acusou os comandantes de batalhões da PM e a própria corporação de envolvimento com o crime organizado. Torquato também compareceu à cerimônia e dividiu o palanque com o governador, que usou seu discurso para fazer afagos a Temer, ao governo federal e aos deputados da bancada federal:

— Esse governo, para a gente, cai do céu. O senhor tem sido um grande parceiro do Rio. Eu estou há 32 anos na política, nunca vi uma bancada federal atender tanto os parlamentares e os prefeitos como essa bancada federal tem nos ajudado. Estou muito feliz. O senhor tem sido um amigo do Rio extraordinário. Eu tenho certeza de que o Rio de Janeiro vai dar a volta por cima. E nesse momento de virada, nossa, o senhor foi fundamental.

O local escolhido pelo governo federal para o anúncio foi um centro de treinamento da Marinha, na Avenida Brasil. O acesso controlado ao local evitou qualquee chance de protesto, já que o presidente detém baixíssimos índices de aprovação. O discurso foi ouvido apenas por militares e crianças que participam de projetos esportivos no local.

As atividades esportivas e culturais vão ser oferecidas em centros de referência em comunidades pobres do Rio: Complexo do Lins, Complexo do Alemão, Complexo da Penha, Maré, Chapadão e Pedreira, Cidade de Deus, Vila Kennedy, Rocinha, Baixada Fluminense e Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, que teve sete mortos durante uma ação policial na madrugada do último sábado.