Prefeitos, vereadores e militantes serão elementos de multiplicação das ações do partido, diz 1º vice-presidente do MDB, senador Confúcio Moura

Prefeitos, vereadores e militantes serão elementos de multiplicação das ações do partido, diz 1º vice-presidente do MDB, senador Confúcio Moura

Compartilhe isso:

Na Convenção Nacional que elegeu o presidente Baleia Rossi, a primeira vice-presidência ficou com o senador Confúcio Moura, de Rondônia.

Filiado ao partido desde 1995, Confúcio exerceu mandato de deputado federal por três vezes consecutivas, em 1995, 1998 e 2002. Em 2004 assumiu a prefeitura de Ariquemes (RO), sendo reeleito em 2008. Em 2010 foi eleito governador do estado de Rondônia, e foi reeleito em 2014.

Hoje no Senado, o foco do seu mandato é a defesa da educação de qualidade e a defesa dos interesses da Amazônia.

Entre as funções do primeiro vice está substituir o presidente do partido em caso de ausência ou impedimentos e colaborar na solução de assuntos políticos e administrativos.

Confira os principais trechos:

– Qual a importância dessa renovação democrática para o MDB no momento?

Este é um momento importante. O MDB é um partido muito tradicional, muito forte e tem a maior quantidade de vereadores e prefeitos do Brasil, mas precisamos agora concentrar nas grandes cidades, grandes estados e ser um partido mais ambicioso. E essa ambição e revolução vem dos mais jovens, da juventude.

– Para o senhor, o que representa a chegada do deputado Baleia Rossi à presidência do MDB?

O Baleia Rossi é um deputado jovem e ativo, muito respeitado na Câmara dos Deputados. É um parlamentar com um perfil moderno, avançado e inclusive reformista. Eu acho que ele chegou em boa hora para o comando do partido.

– De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral, o MDB tem hoje 2,3 milhões de filiados. Como a nova Executiva vai trabalhar para se manter próxima à militância?

Através da comunicação, das redes sociais, divulgando tudo que estamos fazendo na esfera central para os filiados e para os diretórios e estaduais. Nossos prefeitos, vereadores e militantes serão os elementos de multiplicação. Antigamente esse movimento era feito através de cartas, telegramas, que Orestes Quércia mandava e Ulysses fez isso também por muitos anos. A gente recebia lá no interior as correspondências do partido e ficávamos vaidosos. Isso criava um sentimento de importância.

– Quais são as suas ideias para o futuro do partido?

Ter candidatos. Essa é a primeira coisa a ser feita. Não ter medo de sermos ambiciosos. Creio que a mentalidade antiga do MDB de ser um grupamento regional com os caciques locais, isso já era. Temos que lançar candidaturas e ter um candidato à presidência da República jovem para 2022. Lançar candidaturas em todas as capitais brasileiras, nos maiores municípios brasileiros para que a gente possa representar maioria do eleitorado, onde tem voto. Mas ainda assim, o mais importante é a quantidade de eleitores que o partido representa.