Prefeito de Angra dos Reis pede apoio ao Governo Federal à indústria naval

Prefeito de Angra dos Reis pede apoio ao Governo Federal à indústria naval

Compartilhe isso:

Focando a retomada da construção naval em Angra dos Reis, o prefeito Fernando Jordão (MDB) enviou ofício ao presidente Jair Bolsonaro no dia 22 de junho, explicando que a competição com um país como a China, com uma política de subsídios diferente, impede o reaquecimento do cenário. Quase um mês depois, o município recebeu com alegria a notícia de que um contrato para a fabricação de módulos para o topside do FPSO Almirante Barroso, que será instalado no campo de Búzios V, na Bacia de Santos, será efetuado pelo estaleiro Brasfels, no 3º trimestre deste ano.

No ofício, o prefeito explicou ao presidente que a indústria petroleira passa por um período de crise em virtude da cotação do barril de petróleo estar oscilando na faixa de US$ 40,00 (quarenta dólares). No entanto, deixa claro que na retomada da economia mundial esse valor deve retornar a um patamar que viabilize a exploração dos campos do pré-sal, momento que haverá demandas de novas plataformas e sondas de exploração.

De qualquer forma, ainda de acordo com o prefeito, mantida a política atual, os empregos dos estaleiros continuariam sendo “exportados” para a China. A construção de plataformas e sondas, mediante arrendamento ou aquisição pela indústria petroleira – para explorar os campos das bacias de Campos e Santos – tem sido efetuada nos estaleiros daquele país.

Depois de também enumerar as razões da preferência pela China, mostrando que lá, quem subsidia os custos é o próprio governo chinês, e falar sobre algumas medidas efetuadas anteriormente no Brasil para fazer frente à concorrência desleal, o ofício enviado pelo prefeito também cita algumas medidas que poderão fazer da retomada da construção naval um sucesso, como retomar a exigência de 65% de conteúdo local na construção de plataformas, com a ANP estabelecendo multas elevadíssimas que desestimulem a opção por estaleiros de outros países; a criação, pelo BNDES, de uma linha de crédito subsidiado pelo Governo Federal para financiar as obras em estaleiros brasileiros, com amortização dos empréstimos sendo feita com parte do petróleo extraído pelo equipamento financiado; fim de margens de lucros expandidas para estaleiros e demais indústrias que servem às petroleiras, com o Governo Federal praticando desonerações das folhas de pagamento e tributárias para competir com os países asiáticos.

– Cabe destacar que os estaleiros brasileiros têm qualidade e tecnologia muito superior em relação aos estaleiros chineses. Além disso, o prazo de entrega é sempre muito menor – declara Fernando Jordão ao final do ofício.