Mais saúde, menos desperdício

Mais saúde, menos desperdício

Compartilhe isso:

Um Brasil MAIS HUMANO requer de nós a compreensão das imensas e históricas desigualdades sociais. O Estado tem o dever de priorizar o bem-estar do paciente, fortalecer a saúde preventiva e levar dignidade e respeito a todos que dependem do Sistema Único de Saúde (SUS).

Temos uma metodologia vigente no país que dá mais atenção ao tratamento da doença do que ao paciente. Para inverter essa lógica, a atenção básica precisa ser priorizada, com mais postos de saúde, ampliação do Programa Saúde da Família, retomada dos Mutirões da Saúde e melhor organização, eficiência e gestão do sistema.

Para Meirelles, é fundamental trabalhar pela melhoria da vida dos pacientes que utilizam o SUS. A informatização do setor pode ajudar na redução das filas de exames e cirurgias em todo país, facilitando o acesso da população, de Norte a Sul, de Leste a Oeste.

COMO MELHORAR OS RESULTADOS NA SAÚDE?

Meirelles quer priorizar a eficiência dos gastos no setor. De cada R$ 10 previstos para a melhoria da infraestrutura em saúde, R$ 6 deixaram de ser aplicados nos últimos 13 anos, segundo informações do Conselho Federal de Medicina.

Dados do Banco Mundial também provam que o Brasil poderia aumentar os resultados de saúde em 10% com o mesmo nível de gastos. Os números apontam 37% de ineficiência na prevenção à saúde (atenção básica) e 71% nos cuidados de saúde secundários e terciários, ou seja, postos de saúde e hospitais.

Para que a ineficiência no setor e o desperdício do dinheiro público sejam mitigados, é necessário focar em propostas que ofereçam resultados concretos, como a recuperação financeira das Santas Casas e instituições filantrópicas, auxílio às prefeituras para a recuperação de postos de saúde desativados e força-tarefa para acelerar o funcionamento de postos que estão quase prontos.