Com gestão da Prefeitura de Petrópolis, UPAs atendem a 600 pessoas com equipes completas, abastecimento de insumos e medicamentos e 3 ambulâncias UTI móvel

Com gestão da Prefeitura de Petrópolis, UPAs atendem a 600 pessoas com equipes completas, abastecimento de insumos e medicamentos e 3 ambulâncias UTI móvel

Compartilhe isso:

O primeiro dia de funcionamento das UPAs sob a administração da prefeitura por meio do Serviço Social Autônomo do Hospital Alcides Carneiro (Sehac) ocorreu dentro do previsto: mantidos todos os atendimentos – média de 300 em cada unidade – redução do tempo de espera, equipes completas e abastecimento normal de insumos e medicamentos. A prefeitura assumiu a administração das UPAs a partir da meia-noite desta sexta-feira (17.08), mas desde às 19h do dia anterior a migração de toda a operação, processo iniciado há mais de um mês, já era feita.

No primeiro dia de nova administração das UPAs, a prefeitura, que já havia estado nas unidades na quinta-feira, retornou ao local para acompanhar a operação de três ambulâncias UTI móvel que passaram a atender às UPAs.

A cidade vai avançar ainda mais em atendimento, em qualidade. A integração das unidades com o HAC também fará a diferença.

A Secretaria de Saúde, também presente nas unidades no primeiro dia de administração do Sehac, destaca a otimização do atendimento com integração das UPAs e HAC e alinhamento dos fluxos.

São procedimentos internos que vão refletir diretamente no atendimento.

Com dois médicos a mais em cada unidade – um médico visitador, para acompanhar os pacientes acolhidos e outro de suporte – as UPAs passaram à administração do Sehac com 4 clínicos gerais e 3 pediatras todos os dias. A equipe de enfermagem de cada unidade foi ampliada. Antes, operava com 3 enfermeiros e 8 atendentes de enfermagem por plantão. Agora, são 4 enfermeiros e 10 atendentes de enfermagem.

Com 360 funcionários, a maioria de equipes médicas, as UPAs agora têm plantões de 12 horas para cada profissional, dando mais oportunidade de descanso e mais plantões a serem feitos e, consequentemente, maior remuneração.

José Victor Caldeira, diretor geral das UPAs, antecipa que toda a operação de adaptação do novo sistema vai ser feita ao longo do final e semana, de forma permanente pelas equipes do Sehac e com a vistoria da Prefeitura.  “Temos 24 horas de acompanhamento neste momento e também em todos os dias daqui por diante”, afirma.

O custo de gestão das UPAs permanece o mesmo: R$ 1.088.000,00 por cada uma.  A administração das  unidades de pronto atendimento chegou a custar na gestão passada R$ 3,6 milhões por mês. Muitas irregularidades e um serviço ruim. Com administração adequada, o município aumentou em 20% do atendimento com menos gastos e maior qualidade.

A costureira Daiane da Silva, de 23 anos, levou a filha à UPA Centro. Heloane, de um ano e oito meses, foi rapidamente atendida. “Foi muito rápido. Cheguei às 13h30 e agora (14h30) já estou saindo. Mas tudo com uma atenção muito grande. Tive minha filha no próprio HAC e fui bem tratada lá também. A expectativa é que as UPAs fiquem ainda melhor”, comenta a costureira.