Cidade mais segura do Rio, Petrópolis investe em monitoramento para reduzir ainda mais índices de homicídios

Cidade mais segura do Rio, Petrópolis investe em monitoramento para reduzir ainda mais índices de homicídios

Compartilhe isso:

A taxa de homicídios em Petrópolis entre as cidades com mais 100 mil habitantes é a menor em todo estado do Rio de Janeiro. Os dados foram divulgados pelo Atlas da Violência 2018, um levantamento feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) em 309 cidades de médio e grande porte em todo país. A Cidade Imperial tem 10,7 homicídios ou mortes violentas por causa indeterminada por 100 mil habitantes, a menor em todo território fluminense. Para reduzir ainda mais os índices e consolidar o município como o mais seguro do estado, Petrópolis investe em monitoramento por câmeras, que será inaugurado na semana que vem.

O Centro Integrado de Operações de Petrópolis (Ciop) vai reunir as forças de segurança que atuam no município – Guarda Civil, 26º Batalhão da Polícia Militar e as duas delegacias (105ª e 106ª) –, que vão acompanhar imagens de 46 locais em todos os cinco distritos do município. Além delas, os órgãos responsáveis pela organização de trânsito – Companhia Petropolitana de Trânsito e Transportes (CPTrans) – e os que fazem atendimentos de emergência – Defesa Civil e Bombeiros também vão aproveitar a central de monitoramento.

Petrópolis tem um histórico de tranquilidade e segurança, mas é necessário fazer investimento constante na área para que isso se mantenha. É por isso que município está criando uma moderna central de monitoramento, que vai ficar a disposição das forças de segurança para que esses índices possam cair cada vez mais. A cidade terá monitoramento em 46 pontos, quantidade que nunca foi alcançada antes, e com o que há de mais moderno em tecnologia, tudo isso a serviço da proteção da população.

O município ficou à frente de cidades vizinhas, como Teresópolis (13,2 homicídios a 100 mil habitantes) e Nova Friburgo (19,4),e de outras que já possuem monitoramento há mais tempo e com mais câmeras que Petrópolis, como Volta Redonda (26,2), Rio de Janeiro (34,9) e Niterói (38).

O projeto que será inaugurado na semana tem monitoramento de 46 locais em toda cidade, mas já há previsão de expansão. A prefeitura recuperou uma verba de R$ 500 mil de uma emenda federal que será usada para aquisição de mais 40 câmeras – Petrópolis terá 86 pontos monitorados.

Mais de um ano de planejamento

A central de monitoramento vem sendo planejada pela prefeitura, os comandos da Guarda Civil, PM e os delegados desde o ano passado e a instalação das câmeras começou no último mês de abril. Em todos os locais com monitoramento, são instaladas câmeras que filmam em 360º. Além disso, dos 46 pontos, cinco deles – em entradas da cidade – vão receber também câmeras fixas que fazem leitura de placas de veículos. No total, são 56 câmeras na cidade.

Nesses cinco pontos, serão uma câmera de 360º e mais duas câmeras de leitura de placas, uma em cada direção da pista. Dessa forma, será possível monitorar se um veículo roubado ou furtado está entrando ou saindo do município, permitindo atuação de imediato das forças policiais.

A cidade vai contar com equipamentos nos locais mais movimentados, como áreas de comércio – só na Rua Teresa, maior shopping a céu aberto da América Latina, são cinco câmeras – e pontos turísticos – todos locais que vão receber atrações da Bauernfest, que começa nesta sexta (22.06), como Palácio de Cristal, Praça da Liberdade e Praça da Águia, são monitorados. Mas além desses locais, vários bairros do município vão contar com câmeras: Nogueira, Corrêas, Araras, Valparaíso, Itamarati, Cascatinha, Quissamã, Retiro, Itaipava, Pedro do Rio, entre outros.

As câmeras serão utilizadas também para ajudar o turismo na cidade, ao coibir o uso irregular de vagas de estacionamento destinada a ônibus que trazem visitantes para o município. Bombeiros e Samu, por exemplo, terão a possibilidade de verificar se uma chamada por socorro é verdadeira ou trote, evitando um eventual deslocamento desnecessário. A PRF poderá ser informada se um veículo roubado está deixando a cidade, podendo atuar para interceptar o criminoso. A CPTrans poderá organizar rotas alternativas em caso de retenções no trânsito, como em acidentes. A Defesa Civil terá a oportunidade de acompanhar os níveis dos rios, o que será fundamental em épocas de chuvas.

O sistema de monitoramento é moderno e permite, por exemplo, que investigações da Polícia Civil aconteçam de forma mais rápida e eficiente. A partir de filtros, é possível pesquisar imagens de acordo com cores, direção, velocidade, ociosidade ou tamanho objeto, facilitando a busca por pistas de um crime. As câmeras conseguem filmar com nitidez em uma distância de até um quilômetro.

“As imagens vão permitir atuação imediata diante de um crime, com um agente sendo acionado para ir até o local do flagrante, ou ajudar na elucidação, mesmo que o crime não ocorra diante das câmeras – ainda assim, será possível verificar, por exemplo, se um criminoso passou próximo do local da ocorrência, que também pode ajudar a reconstituir a cena do crime”, explica o coordenador de Segurança do município, Maurício Borges.