Campanha Outubro Rosa do PMDB Mulher é lançada em Brasília

Campanha Outubro Rosa do PMDB Mulher é lançada em Brasília

Compartilhe isso:

Presidente do partido no estado do Rio, Kátia Lôbo participa das atividades que começaram na terça-feira (03) e vão até esta quinta (05)

Mulheres do PMDB de todos os estados da federação e também integrantes da Fundação Ulysses Guimarães (FUG)  participam esta semana em Brasília (de 03 a 05/10) da abertura oficial da campanha Outubro Rosa – Entre de Peito nesta Luta. A atividade é para lembrar o mês de fortalecimento das ações de prevenção e combate ao câncer de mama, tipo de câncer que mais mata mulheres no Brasil, respondendo por 28% dos novos casos de câncer a cada ano.

Ao todo, 37 mulheres representantes de todos os estados celebraram mais um ano da campanha,  que tem sido intensificada pelo núcleo feminino do PMDB em todas as regiões do país. Após a abertura oficial, na sede do partido, elas se reuniram com o presidente Michel Temer no Palácio da Alvorada, que foi iluminado de rosa para lembrar o mês das ações em prol da conscientização sobre o câncer de mama. Elas entregaram ao presidente a cartilha com orientações sobre prevenção e tratamento da doença e entregaram o laço rosa, símbolo da campanha.

Para Kátia Lôbo, presidente do PMDB Mulher no estado do Rio, a campanha é importante não só para alertar as mulheres sobre os números alarmantes da doença,  mas para chamar a atenção para a prevenção. “Se diagnosticado precocemente, o câncer de mama tem 95% de chances de cura. É preciso reforçar sempre que a mamografia anual e o autoexame das mamas  são imprescindíveis”, alerta Kátia.

No Rio, a campanha contra o câncer de mama envolverá uma série de ações a partir da segunda quinzena de outubro. Entre elas: postos para doação de cabelo humano para confecção de perucas, coleta de lenços e de meias calças para produção da prótese mamária provisória.

A previsão do Inca (Instituto Nacional de Câncer) é de 57 mil casos de câncer de mama entre mulheres no Brasil a cada ano. Esse é o segundo tipo de tumor maligno mais incidente entre as brasileiras, atrás apenas do câncer de pele não melanoma. O câncer de mama também pode afetar homens, embora os casos sejam considerados raros.